CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

SINO DO VENTO

Nº DE ACESSOS DESDE 22/11/2010

contador de visitas

NEFERTITI

NEFERTITI

Amigos Caminhantes

POSTAGENS RECENTES

KYPHI PARA ILUMINAR OS SONHOS

KYPHI PARA ILUMINAR OS SONHOS
incenso egípcio

ASFALTO DAS HORAS RECEBEU O SELO DA VEJABLOG - OS MELHORES BLOGS DO BRASIL

ASFALTO DAS HORAS FAZ PARTE DOS MELHORES BLOGS CULTURAIS

http://meublogtemconteudo.blogspot.com/
Obrigada por visitar e comentar as postagens

CADASTRE-SE E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES NO SEU E-MAIL

Seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

5 de setembro de 2015

MÊS DE AGOSTO


Moro
 numa casa de ausências
onde invento trilhas
desenho barcos
e roendo as horas
tento uma saída.
Meu olhar paira 
no umbral das esquinas
onde revejo
antigos fantasmas.
Depois entro em mim mesma
calo a fome da alma
e tranco as portas da casa
com toda a força 
dos meus punhos em brasa...


Shirley Brunelli Crestana

42 COMENTE AQUI:

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Parabéns pelo lindo poema. Amei!

Beijinhos e bom sábado.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

✿ chica disse...

Beleza de inspiração, densa, intensa! Lindo feriadão! bjs,chica

Guaraciaba Perides disse...

A contundente dor da ausência que fica pelas sombras dos desvãos alimentando a saudade que não se cansa de se alimentar...
um abraço, Paz Profunda!

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Oi Shieley um poema triste,falando sobre umbral e fantasmas e esse vazio,queimando os punhos em brasa.
Sei que os poetas nem sempre vivem o que escrevem,apenas passam a inspiração e isso acontece comigo.
Gostei muito.
Bjs e um ótimo domingo.
Carmen Lúcia.

Sor.Cecilia Codina Masachs disse...

Buenas tardes Shirley:
Estupendo poema, las vacaciones han terminado y todo poco a poco vuelve a su lugar. La casa se queda sola y los recuerdos se quedan hasta el años próximo.
La vida trascurre, pero siempre esperanzados.
Un gran abrazo.
Sor.Cecilia

Elisabete disse...

É uma bonita introspeção.
Bjs

Magia da Inês disse...


Umbral da solidão e da saudade!...

-`✿´-
✿ Bom fim de semana!
-`✿´- Beijinhos.

Maria Teresa Valente disse...

Gostei Shirley, é preciso determinação para
se livrar de antigos fantasmas... é preciso
ser forte para trancar nossas portas...
Amei o poema, obrigada, excelente final de
semana prolongado, abraços carinhosos
Maria Teresa

Odete Ferreira disse...

Quando as ausências são premência, tudo se nos afigura sombrio. Nesses momentos, permanecemos no casulo até que o ânimo regresse.
Muito bom, Shirley.
Bjo, amiga :)

Dorli Ramos disse...

Oi Shirley
Forte poema metafórico
Adorei
Beijos
Dorli Ramos

Toninho disse...

Cala uma angustia, mas de uma beleza impar Shirley.A inspiração mais linda de hoje.Aplausos amiga.
Lindo seja seu feriadão com alegria, paz e muito carinho.
Meu terno abraço.
Beijo de paz amiga.

APENAS PALAVRAS disse...

Lindo poemas, seguido de grandes aprendizagem...

Bj de carinho no coração, fico a te esperar no meu cantinho...

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Magnifico e belo poema.
Um abraço e bom Domingo.

Ingrid disse...

sentir em nós mesmos a intensidade do conhecer.
Lindas palavras.
beijos.

Daniel Costa disse...

Shirley, fantasmas em forma de poesia a fazer de fantasmas e a ficar bem na fotografia.
Abraços

Marina Fligueira disse...

¡Hola Shirley!!!

Nos dejas un exquisito poema, versos con profundo metimiento. Me llama especialmente la atención este, callar el hambre del alma, que frase tan mágica.
La verdad es que son todos bonitos. Te dejo mi felicitación y mi estima siempre.

Ha sido un inmenso placer estar de nuevo en tu casa virtual, donde se alimentan los sentidos.
Te dejo un abrazo y mi gratitud.
Se muy muy feliz.

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Adorei as tuas palavras.Revejo-me, de certa forma, nesse poema.

Tenho passado por essa estrada imensas vezes...

Beijinho doce:)

Blog da Gigi disse...

Olá amei seu cantinho!!!!!!! Seguindo!!!!!!!
http://gigicandy29.blogspot.com.br/

Manuel disse...

Querida y estimada amiga. Ésta, es otra ocasión en la que el traductor me juega una mala pasada, por lo que me es difícil encontrar el sentido de tu poema. Pero, a pesar de todo se deja entender, que son bellas tus palabras.
Un fuerte abrazo.

Tais Luso disse...

A vida também exige essa força interior, e certas atitudes assim, não?
Ora a paz, o sossego; ora nos sentimos afrontadas e acuadas...
Eu preparo o bote!
Beijos, querida amiga.

tesco disse...

Ó anjo de gentileza
Dá-me um pouco de atenção
Retira-me a incerteza
Que me cai no coração

Tu és causa do meu pranto
És antítese da luz
És malvada, no entanto
Tens encanto que seduz

Mesmo com muito talento
Como vou manter a calma
Enleado no tormento
Das sombras da própria alma?

Não podes passar sem mim
Sempre foste meu alento
Como então viver assim
Fantasma em meio ao vento?

Kisojn.

Teca M. Jorge disse...

Intenso!...

Boa semana.
Beijo.

Sotnas disse...

Pois é Shirley, por vezes a saudade nos causa esta dor, ainda que sigamos aprendendo a conviver com ela, não escapamos de sentir doer, tão pouco encontramos o conforto necessário, pra esta companhia tão ardente.
E por cá você sempre expressando teu sentir deveras, e compartilhado com belas imagens, grato por isso, e também pelas visitas e comentários gentis deixados por lá!
Desejo que você continue sempre sob a bênção do criador, abraços!

Evanir disse...

Um pouco mais cedo e com muitas saudades
venho convidar você para uma
visitinha na minha postagem.
Mesmo em meio as aflições temos que louvar
a Deus pela nossas vidas.
Comemorar é reunir com nossas amizades,
que a dez anos muitos vem comemorando comigo.
Eu tenho muito a agradecer a Deus por mais um ano
pelo milagre da vida.
Na verdade no decorrer desse ano nasci de novo
após uma cirurgia.
Gosto muito de falar as benção que recebo
para lembrar que temos um Deus por nós.
Pode ser grande a nossa luta ,
mas grande mesmo é nossa vitória.
Obrigada por tudo.
Feliz semana .
Beijos carinhosos...
Evanir....
PS..Se for do seu agrado deixei
mimo na postagem.

Reflexos e Sinais da Alma disse...

Olá Shirley ,

Mais um Excelente ato de Poesia onde o Tempo pára em cada Palavra escrita, e onde a exposição dos pensamentos e das emoções se revelam a cada instante ...

Um Abraço
Luis Sousa

Leidiana Pereira disse...

Seu poema é muito lindo, mas eu detesto o mês de agosto... Ele nunca é bom para mim... haha
Mas fora isso, você escreve muito bem, parabéns.
Beijos. ♥

Diário da Lady

O Árabe disse...

Mês de agosto... mês de carências e procuras. Muito belo, Shirley; boa semana!

Mariangela do Lago Vieira disse...

Que linda inspiração amiga.
Muitas vezes precisamos encontrar forças para
que nossas portas, vãos, frestas....sejam fechadas!
Grande abraço e beijo!
Mariangela

ONG ALERTA disse...

Muito lindo bj Lisette.

heretico disse...

intenso teu poema. e muito belo...

(há sempre uma chave mágica a abrir portas trancadas)

gostei muito.

beijo

Emília Pinto disse...

Hoje foi um dia em que me senti assim..." numa casa de ausências onde nem trilhas consegui inventar. Ainda me sinto assim agora que a luz do dia se foi e a escuridão invadiu a " casa de ausências ". Vim aqui tentando que o meu olhar não ficasse pairando nas paredes do quarto; fiz bem! Aqui encontrei sentimentos semelhantes colocados em versos nostálgicos e a " fome da minha alma calou-se um pouco. Amanhã será um outro dia e quem sabe, não abrirei esta porta de par em par para que o sol entre no meu coração triste? Tentarei, amiga, tentarei....
Beijinhos e obrigada !
Emília

Jorge Sader Filho disse...

"Calo a fome da alma..." Um verso forte e verdadeiro! Sim, Bela Shirley, a alma tem fome!
Beijos

Fábio Murilo disse...

Metaforizando agosto? Beijos, Shirley.

Graça Pires disse...

Um excelente poema onde as contradições da alma acompanham as palavras...
Beijo.

Jaime Portela disse...

Temos sempre 2 casas à mão... a de fora e a dedentro de nós.
Magnífico poema, gostei muito, como sempre.
Shirley, tenha um bom fim de semana (está perto...).
Abraço poético.

Manuel Luis disse...

Linda inspiração.
Um beijo querida.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Shirley,passando para lhe desejar um ótimo final de semana.
Bjs-Carmen Lúcia.

O Profeta disse...

No embalo da tua fina pena


Às vezes é preciso acordar o silêncio da memória
Ou esperar pelo adormecimento inadiável
Com o gesto sereno e demorado da ternura
Com o acordar do amor rompendo o improvável

Passei para te desejar um radioso fim de semana

Doce beijo

Carmem Grinheiro disse...

olá, Shirley
Há tantas vezes que precisamos nos encontrar connosco próprios. Apenas nós...
Muito bom poema.
bj amg

Tito disse...

Oi, Shirley!
Faz tempo que não comentava aqui, mas vejo, pela beleza das suas poesias, que sua inspiração é mesmo infinita.
Meio triste, mas muito bonito.
Grande abraço!

Marina Fligueira disse...

¡Hola Shirley!!!

Paso de nuevo a empaparme de tus preciosas letras que brillan con luz propia.
Son una gran verdad! A veces sentimos que el alma se encierra en un regio de ausencias... Mas siempre amanece y sale el sol que la contenta.
Siempre es un placer leerte.

Un besito y se muy feliz.

ludu disse...

belissimo