CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

SINO DO VENTO

Nº DE ACESSOS DESDE 22/11/2010

contador de visitas

NEFERTITI

NEFERTITI

Amigos Caminhantes

POSTAGENS RECENTES

KYPHI PARA ILUMINAR OS SONHOS

KYPHI PARA ILUMINAR OS SONHOS
incenso egípcio

ASFALTO DAS HORAS RECEBEU O SELO DA VEJABLOG - OS MELHORES BLOGS DO BRASIL

ASFALTO DAS HORAS FAZ PARTE DOS MELHORES BLOGS CULTURAIS

http://meublogtemconteudo.blogspot.com/
Obrigada por visitar e comentar as postagens

CADASTRE-SE E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES NO SEU E-MAIL

Seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

20 de junho de 2015

ATÉ QUANDO?


Com espírito escravizante
inflexível
chegas enigmático
me agrides com o olhar
me afagas e me afogas
no oceano de tua inconstância.
Nesse contínuo fluxo e refluxo
de nossos sentimentos
decides os meus atos
com imaturas palavras
 que me arrastam
me arranham
me irritam.
Em mim
o tempo ficou parado
 libertei-me do teu jugo
já não posso querer-te
és poeira do passado.



Shirley Brunelli Crestana

30 COMENTE AQUI:

Manuel disse...

Muy bonito, aunque te voy a ser sincero. Pienso que es, por la traducción tan mala que hace Google, pero, me han chirriado un poco las palabras "afoga y agrides", y no he conseguido encontrarlas en la RAE.
Disculpa, por mi ignorancia.
Un abrazo.

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Parabéns pelo lindo poema!

Beijo, bom sábado.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

✿ chica disse...

Linda tua poesia e o passado parece querer voltar e não é aceito,Linda inspiração! bjs, chica

lua singular disse...

Oi fofa,
Sua poesia sempre me encanta, escreve com uma fluidez incomparável
Adorei
Beijos

Manuel disse...

Muchas gracias amiga por tu explicación. "Me agrides con la mirada" lo intuía, aquí se dice agredes; y por curiosidad lo copié y pase por otro traductor pero, seguía saliendo agrides.
Y la siguiente está claro que es la traducción, era difícil de entender "afagas mi y me afogas" al rato di con ellas en el diccionario portugués y pensé que decías: me acaricias y me ahogas.

Me reitero en lo dicho anteriormente, muy bonito tu poema, y muchas gracias por haberte molestado en responderme.
Besos.
Manuel.

ONG ALERTA disse...

Recordar faz parte beijo Lisette.

karin rosenkranz disse...

Quiero agradecer tu visita a mi blog. Te sigo a partir de ahora.
Saludos

ReltiH disse...

UNA GESTA MARAVILLOSA!!
ABRAZOS

Toninho disse...

Até quando o coração dizer vá,
que tuas mazelas foram curadas,
e toda aquela poeira se dispersou.
Mais uma bela construção de sua obra.
Lindo fim de domingo para uma semana feliz.

De volta minha amiga com baterias renovadas.
Bom estar aqui.
Abraços.
Beijo de paz.

O Árabe disse...

Fluxo e refluxo... eis o que é o amor, onde as pessoas se podem realmente perder na poeira do passado. Belo texto, boa semana!

Carla Ceres disse...

Não sei se foi por acaso, Shirley, mas o contorno desse poema na tela ficou muito bonito. Lembra um vaso ou até uma urna para cinzas, o que condiria com o sentido do texto. Estou viajando? Tudo bem. Poesia também é meio de transporte. Beijos!

Mariangela do Lago Vieira disse...

As recordações sempre teimam em voltar...
Apesar de tudo!
Lindo!
Beijos, e uma linda semana,
Mariangela

BETONICOU disse...

Sempre um texto delicado , e de versos fantásticos !estamos sumidos da telinha, mas nunca esquecidos ! deixo abraços e beijos ! parabéns !

heretico disse...

muito bem.
um belo poema. libertador...

assim "cresce" uma Mulher.

beijo

Fábio Murilo disse...

A famosa volta por cima, hábil artesã das palavras. Beijos!

Guaraciaba Perides disse...

Oi Shirley, não há sentimento de afeto que perdure quando o relacionamento é de sofrimento...entre idas e vindas há um céu e o inferno, mas não resiste ao amadurecimento de uma alma. Bela dispensada! (rs)
Um abraço

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Inspiradíssima... sempre.

Patrícia Pinna disse...

Bom dia, Shirley. O passado é fortemente cruel, quando decide virar a página, virar ciclos, nem adiantam as tentativas avassaladoras de reviver lembranças.
Eu me identifiquei em especial com esse escrito lindo.
Tenha um dia de paz.
Beijos na alma.

Patrícia Pinna disse...

Bom dia, Shirley. O passado é fortemente cruel, quando decide virar a página, virar ciclos, nem adiantam as tentativas avassaladoras de reviver lembranças.
Eu me identifiquei em especial com esse escrito lindo.
Tenha um dia de paz.
Beijos na alma.

Vera Lúcia disse...


Olá queridoka,

Pensei que você estava traduzindo o meu marido-rsrs.
Uma libertação bem difícil de acontecer quando ainda, apesar de tudo, existe muito sentimento de bem querer em ambas as partes. Assim, vai-se levando na tentativa de driblar os impropérios de um espírito escravizante.

Falei do meu caso, mas admito que, no caso versado, ele mereceu transformar-se em poeira do passado-rs.

Belos e felizes dias.

Beijão.

Lourdinha Vilela disse...

Em fim livre. Seu poema chega bem dentro da alma, são muitas as vivências escravizadas por um amor.
Belo e tocante poema. bjs.

Emília Pinto disse...

Até quando ? nunca se sabe até quando vai o nosso coração sangrar, até quando vai ele se lamentar, até quando vai ele resistir à decisão de fazer aquela viagem, viagem para bem longe do sofrimento, das decepções. das mágoas; aquela viagem que nos levará " aos portais do templo " que desejamos e temos de penetrar. Poemas lindos, apesar de tristes. Mas quem disse que a vida é só alegria?
Beijinhos, amiga e até sempre
Emília

Tais Luso disse...

Até quando? Até quando a mente e o coração aguentarem!
Presumo que por pouco tempo...Não há amor que sobreviva.
Muito bom!
beijo!

tesco disse...

Enganas-te quando pensas
Que ao passado pertenço
Não abanes o teu lenço.
E suspiro aliviado
É um ato apressado
Cujo valor não compensa

Espero que te convenças
Que as nossas diferenças
Em relações muito tensas
E frequentes desavenças
São frutos de nossas crenças
E não se dão às expensas

Do sentimento profundo
Que nos une num segundo,
De resultado fecundo
Que supera meio mundo
Nos provendo de um fundo
Que mostra lucro rotundo

Não deixes que amargura
Por palavra imatura
Cave nossa sepultura
Ou nos jogue em cova escura
Pois a treva já nos mura
Se se perde a estrutura

Esquece pois as ofensas
Não vivamos do passado
Quero ficar ao teu lado
Reavivamos o imenso
Amor que é de consenso
Suspende tua sentença.
Kisojn.

Graça Pires disse...

O passado gosta de nos visitar mesmo quando preferimos uma ausência apesar de inquieta...
Beijo.

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Um lindo Poema de libertação de Amores menos partilhados.



Beijos


SOL.

Pedro Luso disse...

Olá, Shirley!
O seu poema está em sintonia com a filosofia do nosso poetinha, Vinicius de Moraes, quando poetizou: "que seja eterno enquanto dure".
Bom final de semana.
Abraços.

BETONICOU disse...

Oi Shirley ! Passando para desejar um abençoado fim de semana ! Não deixo de admirar-me com a delicadeza de seus textos ... Um beijão

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Shirleylindamiga

Que mais posso dizer sobre o teu poema, para além do que todos disseram: é lindíssimo. Aliás, como sempre. Continuo à tua espera e ao te comentário lá na nossa TRAVESSA. Sff não me faltes...

Qjs

Maria Teresa Valente disse...


Shirley que bela libertação,
és maravilhosa com as palavras,
amei... parabéns.
Obrigada, abraços carinhosos
Maria Teresa